Quarta-feira, 27 de Abril de 2005

O Meu Neto Francisco

omeunetofrancisco.jpg



 


O Meu neto Francisco


Quando me abres a boquita de tanto espanto
E me soltas um Ah pela novidade
É que o espanto também em mim é tanto
Por tamanha Felicidade

E quando em mil passinhos percorres
Minha casa e meu ninho de amor
Por meu próprio sangue me escorres
Num orgulho que dá calor

E quando cais e quando choras
Quando mamas e quando dormes
Quando estás ou te demoras

Quando te banhas ou comes
Diz-me o Paulo: olha que o adoras
Logo logo te consomes!
publicado por Paulo César às 12:27
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (1) | favorito
|
Terça-feira, 12 de Abril de 2005

Mondego


mondego.jpg


Mondego


Adolescência da minha felicidade
Nos teus areais junto à Lapa
Mirando ao longe a tua cidade
E a cujo encanto ninguém escapa

Amor em canaviais bem repetido
Quanto a nossa força de juventude
Porque no Mondego o proibido
Torna-se sacro e só virtude

Depois o banho na morna corrente
Entre pequenos barbos bogas e rãs
Dando frescura num Sol tão quente

Que torna róseas todas as romãs
Nos decotes das moças já sendo gente
Enquanto batem na pedra as lãs.


 
publicado por Paulo César às 09:51
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (3) | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Abril de 2005

IV Templário


tunas.jpg


IV TEMPLÁRIO


 


Quem diz que as Tunas estão em crise


Não assistiu a este Templário de certeza


Pois constataria quanta vida e beleza


Da mais alegre e rara que se divise


 


Infantuna, TAL, Estundantina e de Aveiro


Postas em despique pela Templária


Em composições e canções de forma vária


Mostraram-se Tunas das por inteiro


 


Raro momento de Alegria em Tomar


Dia nove de Abril aconteceu


Mostraram que a música não morreu


 


E já que alguém tinha que ganhar


Por melhor forma de tocar e de estar


Lá ganhou a briosa Infantuna de Viseu!


Nota: Uma palavra de reconhecimento também para um coro de Tomar e para os alegres Jograis do Minho


 


 



 
publicado por Paulo César às 12:17
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (1) | favorito
|
Domingo, 10 de Abril de 2005

O Meu Grande Amor

amour.jpg


O Meu Grande Amor


O meu amor tanto por mim atraiçoado
Por musas tantas e ninfas fluidas
Não deixa de ser o amor mais amado
E isso tu sabes certo e cuidas

O meu carinho doce e maior
Para quem tantos carinhos bem quer
És tu meu grande amor
Minha querida e minha mulher

Deixa-me voar a alma tonta
Por mil musas incorporais
Que mais que musa és quem aponta

Os reais caminhos imortais
Que tenho em ti e por conta
De tantos suspiros e ais
publicado por Paulo César às 21:46
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | favorito
|
Sábado, 9 de Abril de 2005

Namoro

namoro.jpg


Namoro


 


Vens semi-despida ao meu caminho


E eu pela tua beleza embriagado


Descubro o teu corpo muito amado


E enterneço-me de amor e carinho


 


E o desejo nasce de imediato


No beijo lascivo que me dás


Nele não há réstea de qualquer paz


Feito de febre e guerra de facto


 


Guerra do desejo e do querer


Da ânsia e da pressa de mim


Que me toma por teu e assim


 


Acabo por no teu corpo me perder


E dono de mim deixo de ser


E de dois somos um por fim


 

publicado por Paulo César às 12:12
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Abril de 2005

Robe Azul de Lã

robe azul.jpg


 


ROBE AZUL DE LÃ


 


 


 


Enroscada no safá vendo a TV


Em noite seca e fria de inverno


No robe azul de lã que se vê


Só com este meu olhar mais terno


 


Espio-te distraída pelas cores


Movimentos e palavras no ar


E esta visão traz-me  os sabores


Que esta idade madura nos faz provar


 


O sabor do profundo carinho


Profundo respeito por ti


Que não são mais que apurado vinho


 


Que bebo devagar olhando daqui


Deste solitário cantinho


De onde este poema sorri


 

publicado por Paulo César às 22:06
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (1) | favorito
|

Amor de Mel

amordemel.jpg


 


 


                                                                              AMOR DE MEL


 


 


                                                                              Meu amor de mel


                                                                              gelado na força do estio


                                                                              saboreado nos lábios


                                                                              quando afloro os teus


                                                                              Que doce boca!


                                                                              personalizada já


                                                                              pelas marcas do tempo


                                                                              que desbobina


                                                                              projectando na tela


                                                                              tão lindos sonhos


 


                                                                              Meu amor de mel


                                                                              criatura de Deus


                                                                              prova irrefutável


                                                                              da Sua existência e bondade


                                                                              contorna-me o pescoço


                                                                              com esses braços de trabalho


                                                                              braços de mãe e de amante


                                                                              e segreda-me


                                                                              o álcool que me embriaga a alma


                                                                              que o corpo esse


                                                                              só de água pura


                                                                              precisa


                                                                              para decompor o branco da luz


                                                                              no mais belo arco iris


 


                                                                              Meu amor de mel


                                                                              levarte-ei comigo


                                                                              porque agora


                                                                              a âncora que sempre foste


                                                                              protegendo-me das turbulências


                                                                              torna-se leve na confiança


                                                                              no brilho de orgulho dos teus olhos


                                                                              castanhos


                                                                              e já me permite


                                                                              voar


                                                                              e contigo voarei


                                                                              pelas brisas da noite


                                                                              sob a lua e as estrelas


                                                                              nas estradas negras e frescas


                                                                              do futuro.


 


                                                                              Meu amor de Mel


                                                                              contigo tudo foi aventura


                                                                              tudo foi certeza


                                                                              agora


                                                                              sou eu que te vou dar de mim


                                                                              pela fantasia de ser


                                                                              que mais não é senão VIVER


                                                                              que mais não é senão rezar


                                                                              deixar andar


                                                                              e VOAR


 

publicado por Paulo César às 20:11
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O GUARDA-CHUVA MÁGICO

. Noite II

. BOAS NOTÍCIAS

. Terra Soalheira - CONVITE...

. O MEU ADEUS A ARMANDO SEV...

. EM LISBOA SOU FELIZ!!!

. Aprendendo com a Vida

. Manhã de Outono

. Alegria

. OBRIGADO A QUEM?

.arquivos

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Setembro 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

.tags

. todas as tags

.Os Meus Queridos Amigos

blogs SAPO

.subscrever feeds