Terça-feira, 31 de Maio de 2005

Nas Ondas



Dia de praia de mar e Sol


E de ondas de éter e água salgada


E de sensações um longo rol


Como captou a minha doce amada


 


Portugal e Lisboa são lindos


E o Verão convida a conhecê-los


Todos os forasteiros são bem-vindos


Cá estaremos para nas ondas recebê-los


 


E sondem o éter todo à procura


Da mais certa e doce sintonia


Verão que mais beleza vos perdura


 


Mais leveza amor e alegria


Mais pureza carinho e cura


Nas ondas da pura magia

publicado por Paulo César às 21:29
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (2) | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Maio de 2005

Quando me chegas nua

Quando me chegas nua!


 


Quando me chegas com nudez na fala


E me segredas beijos e promessas


E na grande fé que em mim profeças


Toda a minha cidade se cala


 


E vens doce e meiga pela palavra


Pelo sorriso ao meu ouvido expirado


Esboçando a carvão um outro fado


É a tua nudez que em mim lavra


 


Quando me chegas assim em pose nua


Na tua solidão de pura intimidade


Cala-se mesmo a minha grande cidade


 


E nem uma bicicleta em plena rua


Só a claridade branca de uma lua


Que se mostra toda com vaidade!

publicado por Paulo César às 21:36
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (1) | favorito
|

Velho Fado de Lisboa

vfdl.JPG


Velho Fado de Lisboa


 


É o velho fado de Lisboa


Ter furtivos amantes pelas vielas


E perfumes saindo de mil janelas


Subindo à gaivota que voa


 


Ardinas, cauteleiros e estafetas


Táxis, autocarros no asfalto


E um céu azul num assalto


Ao nosso olhar sem lunetas


 


Barcos variados pelo rio


O Tejo e a ponte na paisagem


Convida a ir à outra margem


 


Ou a Pôr-se ao largo no navio


Que apita em grave assobio


Para partirmos em  viagem


 

publicado por Paulo César às 21:15
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (1) | favorito
|

Com Tudo no Coração Desde Aí

ctncda.JPG


Com tudo no coração desde aí


 


Quando tudo pensava que tinha


surgiste Tu sem nada na mão


e até a vida que pensava minha


provinha do Teu coração


 


E encontrei-me como petiz


brincando com finas areias


Fiz-me serenamente feliz


e eram de Ti minhas ideias


 


Meu sentir como num sonho


que se sonha mesmo acordado


onde tudo se faz risonho


 


e claro no viver de novo fado.


E já nada nos é medonho


lavei em ti o meu pecado!


 

publicado por Paulo César às 20:03
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (1) | favorito
|
Domingo, 29 de Maio de 2005

Amor e Paixão

Amores e Paixões


 


Há de facto amores e paixões?


Ou amor e recordações?


Amizade a antigas emoções


Que guardamos nos corações?


 


A Paixão não deixa lugar a mais nada


Ou existe e estás apaixonada


Ou a outra inda não está findada


e já a deste por acabada


 


Paixão e amizade eu entendo


Sobra-me para isso anos de vida


Mas a mulher nossa e querida


 


Está sempre connosco vivendo


É filme que estamos sempre vendo


É ideia fixa mantida!!

publicado por Paulo César às 22:53
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (4) | favorito
|

A Madeirense

madeirense.jpg


(imagem recolhida na internet)


A MADEIRENSE


 


A Madeirense tem nos movimentos da agulha


toda a graciosidade da toalha que borda


e é com orgulho e saudade que a embrulha


numa alegre vaidade que transborda


 


E ela enfeitada cheia e bamboleante


num sapato alto que lhe eleganta as pernas


sai ao Funchal e nesse eterno instante


cobiçam-na as promessas mais eternas


 


e ela namora em olhares atrevidos


como atrevido canta no seu falar


todos os namoros tem por mais queridos


 


e até ao dia em que por fim fôr casar


despertará em mil rapazes os sentidos


no seu doce e dengoso passar


 

publicado por Paulo César às 09:05
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | favorito
|
Sábado, 28 de Maio de 2005

Luz da Pura Razão

ldpr.JPG


Luz da Pura Razão


 


Luz é a mente em Paz e Serena


Nem os deuses isso te dão


Nem rezes porque não vale a pena


Luz reside na Pura Razão


 


Raciocina, pensa e caça os fantasmas


A escuridão só existe porque tu a inventas


Eu sei que já nem sequer nisto te pasmas


Mas segue o louco, vê se tentas


 


Luz é aquela frenética bebedeira


Que sentiste aquando da primeira paixão


Essa que te tomou de tal maneira


 


Que nem suspeitavas que o teu coração


Teria um dia uma hora derradeira


Igual a essa na embriaguês da  razão


 

publicado por Paulo César às 18:19
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | O que já disseram (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O GUARDA-CHUVA MÁGICO

. Noite II

. BOAS NOTÍCIAS

. Terra Soalheira - CONVITE...

. O MEU ADEUS A ARMANDO SEV...

. EM LISBOA SOU FELIZ!!!

. Aprendendo com a Vida

. Manhã de Outono

. Alegria

. OBRIGADO A QUEM?

.arquivos

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Setembro 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

.tags

. todas as tags

.Os Meus Queridos Amigos

blogs SAPO

.subscrever feeds