Sexta-feira, 6 de Maio de 2005

Quando estou Rebelde!


Dean01.jpg


Quando sou Rebelde!


 


Nada me apavora se rebelde estou


Nada cumpro sou mais de mim!!!


Nada faço quando estou assim


E é por aí  que eu nunca vou!!!


 


E se me dizem que fumar mata


Fumo cigarro após cigarro


Parto toda a louça de barro


De repente se a vida se desata


 


Depois vem a necessidade de carinho


Necessidade do teu profundo olhar


Necessidade de parar e acalmar


 


E volto sereno para o meu ninho


E nos teus alvos lençóis de linho


E Rebelde só de for pra te amar



 

Promessa

m.monroe.jpg


Promessa


 


Faço-te a promessa que o teu desejo


Há de acabar no meu corpo saciado


E começo por este tão doce beijo


E sou o teu novo e velho namorado


 


Aquele que sonhaste quando menina


Aquele que só existe no teu sonho


E que encontraste aqui nesta esquina


De uma vida com muito de enfadonho


 


Vem a mim que te sacio o corpo ardente


Com mãos e corpo de amante virtual


Sou como que para ti um presente


 


Por nunca te teres portado mal


E seres a mulher de honra felizmente


Com sonho aos das outras igual




 
Quinta-feira, 5 de Maio de 2005

Uma Oração Pequenina


jazigo.jpg


Uma Oração pequenina


 


Uma Oração pequenina por ti


Leonel que há dois anos partiste


Rezo como tu nem nunca me viste


Lembrando-me de ti mesmo aqui


 


Pai que não tive foi o que eras


Amigo da boémia Coimbrã


Rezo e no cabelo mais uma cã


De dor e despedida das Primaveras


 


Teu sorriso sempre tão cordial


Vive sempre nas minhas lembranças


Bem como na nossa menina das tranças


 


Que o Senhor te tenha em sítio tal


Que seja sempre para ti um carnaval


Pois de brincar tu nunca de cansas



 

Vou Fingir


chorando1.jpg


Vou fingir


 


Vou fingir aquela dor só tua


Senti-la bem fundo no teu lugar


Tenho lenço se tiver que chorar


Para essa dor  pungente e crua


 


Fingindo-me assim infeliz


Partilhando o teu destino e dor


Que este fingimento é só amor


Tendo a dor que eu nunca quis


 


A tua dor o teu sofrimento


E a minha lágrima teimosa


É o espinho de perfumada rosa


 


Doendo em mim por este momento


De puro e verdadeiro fingimento


Ou meu fingimento é só prosa!?



 
publicado por Paulo César às 14:55
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | favorito
Quarta-feira, 4 de Maio de 2005

Mais um Pontapé!


rui costa.jpg


Mais um pontapé!


 


Mais um pontapé na tristeza


Na melancolia dos dias iguais


Como condão de beijos tais


Que nos dão do amor certeza


 


Mais um pontapé de ousadia


No marasmo de viver quieto


Pontapé que vai directo


À baliza da minha alegria


 


Golo de bola é o que é


Esta sensação do dever cumprido


Como tu sentirás depois de lido


 


Acompanhando esse teu café


Que não é mais que um pontapé


De tempo melhor vivido!



 

Cismando

o pensador.jpg


Cismando


 


Mais do que rimas no branco dispostas


Mais do que ritmos que são por ti lidos


Meus poemas são sentimentos vividos


Juras, promessas, vida e apostas


 


Aposto sempre na conquista da alegria


No verso do soneto mais derradeiro


Que me torna mais feliz e por inteiro


Dono de insondável e misteriosa magia


 


Mais do que da sintaxe dispor figuras


É minha intenção fazer exorcismo


E jogar os meus demónios pelo abismo


 


Onde ficarão para sempre as agruras


Tornando as minhas palavras mais puras


Numa beleza quimérica que muito cismo




 
publicado por Paulo César às 09:42
link do post | Ora diz Lá de tua Justiça | favorito
Terça-feira, 3 de Maio de 2005

O Meu Álcool

o mau alcool.jpg


O Meu Álcool


 


O meu álcool para os problemas esquecer


São estes momentos de solta e livre poesia


E já antigamente era sempre que escrevia


Que me encontrava depois de me perder


 


Álcool porque me adormece e deixa feliz


Embriagado pelas palavras no branco escritas


Bálsamo das minhas horas mais aflitas


Desde os meus tenros dias de petiz


 


Na escrita me alegro, conforto e embriago


Tomada de uma vez toda de repente


Que me deixa de novo feliz e contente


 


Quando a tomo pela mão de um só trago


É como quem suga espremido e negro bago


De uma casta vinícola tão diferente




 

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O GUARDA-CHUVA MÁGICO

. Noite II

. BOAS NOTÍCIAS

. Terra Soalheira - CONVITE...

. O MEU ADEUS A ARMANDO SEV...

. EM LISBOA SOU FELIZ!!!

. Aprendendo com a Vida

. Manhã de Outono

. Alegria

. OBRIGADO A QUEM?

.arquivos

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Setembro 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

.tags

. todas as tags

.Os Meus Queridos Amigos

blogs SAPO

.subscrever feeds